Blog em Linha Reta

Onde é que há gente no mundo?

Sinapses

Famintos, os olhos percorrem cada registro gráfico impresso nas demais páginas que não as principais do enredo. Primeiro vão-se as orelhas das capas frontal e traseira, depois a capa é sugada para dentro da cabeça para que fique pregada à retina dos olhos da mente. Então relidos são o título, subtítulo, autor, editora, e quaisquer outras informações da contra-capa. Por fim, sem remédio pra cura desse mal, os inintelígiveis números ISBN, registros e datas são mastigados e triturados.

Odeio quando filmes ou livros terminam. Voltar à realidade é tão… vil, reles, mortal, sólido, cronometrado, sensorial… Por que é tão bom pertencer a esse universo que não existe? Por que o desejo de não estar aqui mas estar vivo? Final de romance é como a última colher do pudim de leite condensado com chocolate que a companheira querida faz tão bem. Cada letra dos créditos de final de filme são como migalhas do pão caseiro da avó que terminou mas não saciou a vontade de comer.

Quero um livro infinito para eu ler.